Descontos de: 1ª Compra: 10%, 2ª Compra: 20%, 3ª Compra: 25%, 4ª Compra: 20%, 5ª ou demais compras: 10%

Benefícios do ômega-3 e vitamina D

11h57 - 12 de novembro de 2018

Apesar de muito se falar sobre os benefícios do ômega-3 na prevenção do câncer e de problemas cardíacos, não há estudos precisos sobre o tema. O mesmo acontece com a vitamina D:

Alguns dados sugerem que pessoas com níveis mais baixos dessa vitamina tendem a ter taxas mais altas de doenças cardíacas e câncer, mas a evidência também não é sólida.

Agora, um novo estudo publicado no New England Journal of Medicine e apresentado na reunião anual da American Heart Association oferece mais descobertas sobre os efeitos desses dois suplementos sobre doenças cardíacas e câncer.

O VITAL (VITamin D e omegA-3 triaL) é o primeiro estudo controlado em grande escala a investigar como os suplementos de ômega-3 podem afetar o risco de doenças cardíacas em pessoas sem história de problemas no coração.

Mais de 25.800 pessoas foram aleatoriamente separadas em quatro grupos, que recebiam suplementos de vitamina D, ômega-3 ou placebos. Todos os voluntários consumiram seus nutrientes durante aproximadamente cinco anos, e os pesquisadores registraram tudo, desde diagnósticos de câncer até grandes eventos cardíacos, incluindo ataques cardíacos e derrames, bem como mortes por câncer e doenças cardíacas.

As pessoas que tomam ômega-3 os ácidos graxos não tiveram uma menor taxa de eventos cardíacos em comparação com as pessoas que tomam placebo. Mas os resultados não sugerem necessariamente que o óleo de peixe possa apenas ajudar pessoas com histórico de problemas cardíacos. Os pesquisadores da VITAL analisaram os resultados cardíacos gerais juntos – combinando ataque cardíaco, derrame e mortes relacionadas ao coração. Em conjunto, eles não encontraram nenhuma diferença entre as pessoas que tomam suplementos de ômega-3 e placebo.

Quando eles tiraram eventos cardíacos individuais, no entanto, encontraram alguns padrões interessantes. Pessoas que tomam os suplementos de ômega-3 mostraram um risco 28% menor de ter um ataque cardíaco em comparação com pessoas que receberam placebo. Além disso, as pessoas que relataram comer menos peixe pareciam mostrar um benefício maior em reduzir o risco de problemas cardíacos em comparação com as pessoas que comiam mais peixe.

Dr. JoAnn Manson, do Brigham and Women’s Hospital, e sua equipe também descobriram que os voluntários afro-americanos no grupo ômega-3 diminuíram o risco de problemas cardíacos mais do que os brancos que tomavam os suplementos de óleo de peixe. Essa descoberta, diz ela, sugere algumas possíveis razões genéticas para os afro-americanos se beneficiarem mais com os ácidos graxos ômega-3.

Quando analisaram os efeitos da vitamina D, também encontraram pouca diferença entre aqueles que tomavam o nutriente e aqueles que tomavam placebo, quando se tratava de doença cardíaca e medidas de câncer em geral.

Mas, novamente, Manson diz que isso não significa que a vitamina D não esteja desempenhando um papel no câncer. Alguns estudos sugerem que a vitamina pode inibir a progressão dos tumores, por isso, embora possa não diminuir a taxa de novos cânceres, pode reduzir o risco de morrer de câncer. E como o câncer demora mais para se desenvolver, estudos de longo prazo precisariam verificar se esse é realmente o caso.

“Se alguém tem um câncer que ainda não foi diagnosticado, mas já está presente, a vitamina D pode tornar o câncer menos invasivo e menos propenso a se espalhar”, diz ela. Manson está planejando fazer mais pesquisas para saber se os suplementos de vitamina D têm efeitos diferentes sobre o câncer em vários estágios da doença.

Veja também

Tratamento para diabetes sem insulina;

Mitos e verdades sobre o câncer de mama;